Agência da ONU para Refugiados (ACNUR) parabeniza Acadêmicos do Salgueiro por enredo sobre Resistência

Por Raphaella Loureyro

 

A Agência da ONU para Refugiados (ACNUR) parabenizou a escola de samba Acadêmicos do Salgueiro pelo desfile das escolas de samba do Rio de Janeiro e seu enredo sobre Resistência.

 

A escola contou como componentes com 20 pessoas refugiadas de diferentes nacionalidades: Angola, Marrocos, República Democrática do Congo, Síria e Venezuela, refletindo o acolhimento desta população no Brasil.

 

Sob o enredo da resistência, o Salgueiro brilhou na avenida do samba, levantando os punhos fechados por direitos iguais para povos negros e minorias.

 

No desfile oficial, realizado na madrugada de sábado (24), 20 pessoas refugiadas representaram toda a resiliência e determinação dessa população no Sambódromo.

 

“Foi um sentimento único desfilar pelo Salgueiro, ao lado de outras pessoas refugiadas e tantos brasileiros, com um objetivo em comum: representar bem o samba-enredo, a comunidade do Salgueiro e as pessoas refugiadas como um todo. Sinto orgulho deste feito e levarei para a vida esta lembrança”, disse Mohammed, marroquino de 36 anos e que está concluindo seu mestrado em Antropologia pela Universidade Federal Fluminense (UFF).

 

As pessoas refugiadas que participaram do desfile foram selecionadas pelas Aldeias Infantis SOS Brasil e pela Cáritas Arquidiocesana do Rio de Janeiro e, organizações da sociedade civil que são parcerias do ACNUR no acolhimento, atendimento e proteção desta população no estado do Rio de Janeiro e na capital fluminense.

 

Desde o início do ano os refugiados já passaram a fazer parte dos ensaios técnicos da escola.

 

“A receptividade dos componentes do Acadêmicos do Salgueiro às pessoas refugiadas foi muito atenciosa, refletindo verdadeiramente o enredo entoado na avenida pela escola. Os brasileiros que integraram as alas ao lado das pessoas refugiadas as ajudaram nos ensaios e também nos últimos ajustes da fantasia antes de entrarem na Sapucaí. É este o apoio que necessitamos da sociedade brasileira como um todo, para que os refugiados se sintam como parte dos processos que integram”, afirmou o representante do ACNUR no Brasil, José Egas.

Além do desfile na Sapucaí, o termo de cooperação que foi firmado entre ACNUR e Acadêmicos do Salgueiro prevê o atendimento de pessoas refugiadas aos já existentes programas sociais que beneficiam a comunidade do Andaraí.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *